Descobrindo o Tarot

agosto 9, 2010

ENTREVISTA COM O RIDER-WAITE-SMITH!

Filed under: Audio — Tags:, , , , — Leonardo Dias @ 5:15 AM

podcast #1 aqui

Você já pensou em conversar com seu próprio baralho de Tarot? É o que propõe esse outro método de disposição, que eu achei por acaso faz alguns dias, em um site alemão. A princípio, o método é destinado a ser usado com decks novos, mas é claro que nada impede que seja usado com baralhos velhos também. É um método muito interessante para ajudar o estudante a pensar mais sobre seu objeto de estudo e sua ferramenta de trabalho. Uma coisa legal sobre esse esquema de jogada é que ele começa de baixo para cima, como uma árvore que cresce –


Nunca usei esse método, então decidi testá-lo entrevistando meu baralho preferido, o Rider-Waite-Smith. O que será que ele vai dizer?

 


.

I – Diga algo sobre si mesmo; qual a sua melhor característica? A Lua Mistério, confusão, ilusão. Parece que a melhor característica do RWS está mesmo em seu mistério convidativo, em seu simbolismo aparentemente simples, mas intrincado – e em seus detalhes que guardam tantos segredos não revelados por Waite ou Pamela. Com efeito, o RWS é um baralho que possui uma camada de simbolismo oculto não revelado completamente. A Lua, aqui, fala dos mistérios do inconsciente, e do desafio da noite – despertar no viajante seu conhecimento interior, tirando dele seu contato com o mundo exterior que é iluminado pelo Sol. A Lua aqui também adverte para enganos e embustes, armadilhas; eu já escutei, mais de uma vez, que existem várias armadilhas no simbolismo do RWS, para testar aqueles que buscam o conhecimento oculto. Coisas do ocultismo vitoriano…

II – Qual é sua força (seu ponto forte)? Rainha de Espadas inteligência precisa e sutil, percepção aguçada e senso de proporção e harmonia. Sensibilidade e delicadeza. As borboletas no trono e na coroa da Rainha de Espadas me fazem lembrar de fadas, e do dinamismo dos nossos pensamentos. O enfoque da Rainha de Espadas é interior, suas análises são introspectivas. Há também aqui o apelo ao outro, uma inteligência transpessoal compartilhada tanto por Waite como por Pamela, que talvez seja o que tenha resultado na popularidade que esse deck alcançou no século 20.

III – Qual é seu limite (até onde você vai)? Ás de Ouros o plano material é o limite do RWS; de certa forma, isso equivale a dizer que ele abrange a totalidade pois a matéria é a última fronteira da manifestação, e o Ás de Ouros é a última carta (a ordem é de cima pra baixo, como no The Pictorial Key to the Tarot). Por outro lado, aqui também temos limitações com questões relativas a coisas materiais e vida cotidiana, questões muito práticas.

IV – Sobre o que você vem falar? O que tem a me ensinar? Rainha de Copas eu venho falar sobre os mistérios do que é oculto, e venho ensinar-lhe a acessar esses segredos, a escutar o que sua voz interior lhe sussurra. A Rainha de Copas – mais uma rainha – é bastante relacionada à Grande Sacerdotisa, e aqui ecoa bastante a força da Lua também. Ela personifica o poder da Água e da Taça, mostrando que o RWS pode me ensinar a aguçar minha intuição e minha sensibilidade, bem como abrir meus canais para perceber os outros, cuidar deles e trazer-lhes a cura.

V – Qual a melhor forma de trabalharmos juntos? Dois de Paus devemos combinar nossas forças. Você deve acreditar no seu poder e focar sua vontade com firmeza. É preciso ser ousado e quebrar barreiras. Você deve ter pulso firme e afirmar seu domínio do território, e controle sobre a ação. Tenha autoridade e confie em si mesmo.

VI – Qual é o provável resultado de nossa colaboração? Rei de Ouros experiência concreta e o alcance de uma posição sólida nesse campo. Habilidade e expertise, especialização completa. Também, retorno financeiro.

.

.Falou, e falou bastante, rs. Incluo também uma gravação da minha interpretação, com mais detalhes e ideias sobre cada posição. Clique aqui para escutar a gravação. Entreviste seu deck também – e venha me contar o que ele te disse 😉


Anúncios

7 Comentários »

  1. Olá Léo, tudo certo?

    Achei muito interessante e divertido ao mesmo tempo esse último post. Não sei por que mas me lembrou o filme entrevista com o vampiro!! Parece que o tarô se personifica em algo e daí podemos conversar com ele. mas é isso mesmo, não é? Agente pode conversar com as cartas. Quem sabe esse método pode ser até expandido. Vou tentar entrevistar um de meus decks e depois te mando a íntegra.

    Abraço.

    Comentário por Flávio — agosto 11, 2010 @ 8:54 AM

    • Oi!
      Sim, eu também achei divertido, e muito esclarecedor/inspirador ao mesmo tempo, rs. Essa ideia de o Tarot se personificar é legal, porque no processo oracular a gente poderia afirmar mesmo que o Tarot torna-se uma entidade independente de quem pergunta e de quem fala. Eu pensei em expandir o número de perguntas, mas preferi ir pela mentalidade de “menos é mais”. Entrevista os seus e expõe aqui, daí a gente discute.

      Abç

      Comentário por Leonardo Dias — agosto 11, 2010 @ 11:43 PM

  2. A propósito, como voc~e fez a tiragem? Usando o método europeu, ou vc separou o deck em dois: arcanos maiores e menore, e foi tirando?

    Comentário por Flávio — agosto 11, 2010 @ 12:21 PM

    • Eu fiz como eu empre faço – tirando todas as setenta e oito cartas do baralho de um único monte em leque. Eu não faço muita distinção entre cartas grandes e pequenas, especialmente no processo de leitura.

      Comentário por Leonardo Dias — agosto 11, 2010 @ 11:46 PM

      • Ah entendi..então se por exemplo, numa tiragem pelo método da cruz celta sairem só arcanos menores a leitura não fica prejudicada? Pergunto isso por que sempre ouv dizer e li que agente pode fazer uma tiragem só com os maiores, mas tiragem só com menores não. Então se eu fizer uma tiragem tal e só sairem os ditos menores?

        Comentário por Flávio — agosto 12, 2010 @ 8:56 AM

      • Hey, Flávio, sua resposta está aqui.

        Comentário por Leonardo Dias — agosto 13, 2010 @ 10:55 AM

  3. […] Entrevista como o Rider-Waite-Smith! […]

    Pingback por Índice de Posts « Descobrindo o Tarot — agosto 22, 2010 @ 3:35 AM


RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: