Descobrindo o Tarot

dezembro 25, 2010

UPDATES DE SIGNIFICADO 9 – Cinco de Copas + ‘Bridge Over Troubled Water’

Novas visões sobre uma carta em particular podem vir de qualquer direção. As que aparecem espontaneamente costumam ser as melhores.

Durante umas boas horas antes de começar a escrever esse texto, fiquei com uma música na cabeça, tocando sem parar. Eu estava fora de casa, e assim que cheguei, logo baixei a tal música. Ao ler as letras, a identificação foi imediata – bam!, Cinco de Copas.

Na primeira vez que eu decidi analisar um pouco mais a fundo o Cinco de Copas, nunca imaginei que seria uma canção que me elucidaria de forma tão especial o que essa carta representa.

Todo mundo conhece Bridge Over Troubled Water, de Paul Simon & Art Garfunkel; bem, ao menos todo mundo dos vinte e muitos pra cima. Single epônimo do album que acabou sendo o último da carreira dos dois cantores como dupla, Bridge Over Troubled Water permaneceu por nada menos que seis semanas no primeiro lugar das top cem da Billboard, assim que o album em questão foi lançado, nos primeiros meses de 1970. A canção fala sobre amor e companheirismo em momentos difíceis e tem a típica sonoridade melosa dos anos setenta, com boas doses de eco, solos de piano e final grandioso orquestrado sugerindo sentimentos transcendentes.

A imagem central da canção é o que me remete ao Cinco de Copas. No refrão, Garfunkel, com sua voz de falsete, canta –

I’ll take your part
When darkness comes
And pain is all around
Like a bridge over troubled water
I will lay me down
Like a bridge over troubled water
I will lay me down

Eu ficarei ao seu lado
Quando a escuridão vier
E a dor estiver em todo lugar
Como uma ponte sobre águas agitadas
Eu me dedicarei a você
Como uma ponte sobre águas agitadas
Eu me dedicarei a você

Com a figura da ponte, Simon cria uma bonita imagem de cumplicidade e solidariedade, suporte emocional. Nas águas agitadas das emoções de seu interlocutor, Simon oferece-se como a ponte, pela qual ele poderá passar incólume, sem ser levado pelas águas.

.

Ao fundo da cena do Cinco de Copas, há uma ponte.

.



(‘…uma ponte está ao fundo, levando a uma pequena fortaleza ou propriedade.’)

Arthur E. Waite, The Pictorial Key to the Tarot.

O papel da ponte no background do Cinco de Copas é difícil de precisar com certeza. Seja qual for, certamente não é eventual, visto que Waite faz questão de mencioná-la em sua curta descrição para essa carta.

Capa do album "Bridge Over Troubled Waters", de Simon and Garfunkel, 1970

A recorrência desse motivo da ponte, me ocorre, poderia explicar sua presença condensada em imagem no Cinco de Copas – não obstante o gap temporal entre a carta e as duas canções. Talvez essa figura de linguagem seja comum à língua inglesa, talvez seja algum tipo de expressão.

Na carta, temos às margens do primeiro plano o retrato de um estado emocional pesado, de desamparo e solidão; às margens do fundo, uma construção. No universo pictórico do RWS, construções e casas têm sugerida essa implicação de segurança, paz e proteção. Ligando os dois estados, a ponte.

Estaria tal ponte, portanto, destinada a transportar o personagem para um lugar mais seguro? Outra carta que carrega essa conotação de transporte para uma margem mais tranquila é o Seis de Espadas. No entanto, nesse Seis, a mudança (e não o estado ruim, como no Cinco) recebe o foco, e resume-se em ação. No Cinco, o foco está no estado,
enquanto a mudança, representada pela ponte ao fundo, recebe um papel secundário, e parece representar mais uma possibilidade de transição que uma transição de fato. A ponte está ali, porém cabe ao personagem triste decidir cruzá-la. Então, como a ponte de Bridge Over Troubled Waters, ele poderá passar por esse momento difícil sem ser carregado por ele.

Na próxima vez que você vir o Cinco de Copas, não entre na noia do personagem central, mas procure a mensagem das entrelinhas. Não veja somente tristeza – veja também possibilidade de recuperação e transição. Está na carta.

.

.

Som. . . Prá quem quiser escutar a música na íntegra, só clicar aqui. Para baixar o arquivo a partir desse link, clique com o botão direito e escolha a opção ‘salvar link como’.

.

Biblio. . . info sobre a música foi tirada da Wikipedia.

setembro 19, 2009

Exercício SPR – Cinco de Copas

Filed under: Exercício SPR — Tags:, , , , — Leonardo Dias @ 4:07 PM

five of cups - waite mini - menorO Cinco de Copas é provavelmente considerado umas das cartas mais incômodas do Tarot. Sua atmosfera depressiva é eloqüente, e fala por si só. De fato, geralmente o Cinco de Copas sinaliza tristeza, perdas, depressão e luto. Entretanto, quem estuda o Tarot logo percebe nas cartas a existência de um nível um pouco mais profundo de significado, pairando logo abaixo da superfície do óbvio. De maneira geral, essa linguagem “entreliminar” do Tarot esconde-se nos detalhes e, frequentemente, no plano de fundo das cenas indicadas nas cartas. Em relação à estrutura pictográfica das ilustrações do Tarot (mais especialmente do deck Waite-Smith, meu baralho de estudo/trabalho), é correto dizer que a regra geral define que o tema central da carta seja mostrado em primeiro plano, no centro, e quase sempre nos personagens. O plano de fundo das cenas retratadas nas cartas do Tarot – como também o cenário onde atuam os personagens – tem a função primária de complementar o tema central. Além disso, quase sempre é no segundo plano que encontramos dicas sobre o significado mais profundo. É isso que iremos investigar mais detalhadamente nesse post.

Para dar dois exemplos, podemos usar a carta número 2, A Sacerdotisa, e a carta número 15, O Diabo. Observe como a figura da Sacerdotisa e as duas colunas de seu templo dominam quase que completamente o primeiro plano da carta. Tanto que mal nos deixam ver o que está por trás da cena. Em vez de um templo, atrás da Sacerdotisa existe o que parece ser um vasto corpo de água (um oceano ou um lago) – símbolo do inconsciente, a vasta fonte que esconde nossas raízes. Em suas costas, a Sacerdotisa tem uma imensidão maior do que ela mesma, à qual, de certa forma, ela serve apenas de guardiã, ou representante. Preste um pouco de atenção agora na carta seguinte, O Diabo. Seu plano de fundo não expõe nada – apenas uma escuridão que começa logo atrás dos personagens da cena. Isso tira a sensação de tridimensionalidade da carta, deixando-a “chapada”, sem perspectiva. De fato, o arcano 15 fala da nossa prisão ao óbvio (o material, tangível, imediato) e da falta de perspectiva, de visão além que essa prisão causa.

The High Priestess & The Devil - Five of Cups post

Dito isso, podemos passar à análise do Cinco de Copas.

O Número 5

Na numerologia, o significado básico do número 5 é mudança. Caracterizado pelo seu dinamismo, intensidade e energia, o número 5 representa a ampliação da perspectiva, a aventura, e a liberdade. No Tarot, a carta número 5 é o Hierofante. Embora, a princípio, seja um pouco difícil relacionar a figura estática do Sacerdote Supremo ao ágil e hiperativo 5, a dificuldade começa a acabar ao passo que percebemos que hierofante é aquele que ensina, guia através da concessão de conhecimento – ou seja, comunicação, um dos traços mais proeminentes do número 5. O Hierofante é o mestre, o guru, cuja função principal é manter vivo o conhecimento de sua doutrina, exatamente passando-o aos novos iniciados.

As cartas 5 dos Arcanos Menores, em geral, tem uma atmosfera que sempre tende ao sofrimento. Isso se deve, em parte, ao fato de que o 5 representa mudança, transição. Todos os 5’s no Tarot relacionam-se ao Grande 5, o Hierofante; dessa maneira, todos os cincos nos naipes tratam de um movimento de expansão mental – o que caracteriza o aprendizado. Nesse caso, o aprendizado através da dor.

O naipe de Copas

O naipe de Copas é relacionado ao elemento Água – emoções, amor, união, combinação, associação, imaginação, e sonho. No Cinco de Copas, a passividade do naipe é perturbada pela agressividade do número 5. A energia 5 muitas vezes pode manifestar-se na forma de catástrofes e acidentes, trazendo a mudança de forma súbita e irreversível. Assim, da combinação entre as Copas e o 5, sonhos e fantasias se desmoronam, laços são desfeitos, e sentimentos são magoados. No entanto, aspecto de expansão consciencional do número 5 sugere que tais desilusões fazem parte do processo de aprendizado, onde nos desfazemos de laços antigos em nome de um conhecimento mais amplo sobre as coisas.

ELEMENTOS PICTOGRÁFICOS DA CARTA

Podemos passar agora para uma análise mais profunda dos detalhes da cena. Pense em cada carta como uma cena de peça de teatro. No teatro, o cenário tem papel fundamental – entre outros, o de comunicar ao expectador, de forma indireta, qual gama de emoções a cena cobre e, muitas vezes, qual o estado de espírito dos personagens presentes. Pamela Smith, a artista que desenhou o baralho Waite-Smith, também pintava cenários para peças teatrais e livros infantis. Podemos perceber essas tendências no estilo meio fantasioso e levemente teatral do baralho que ela desenhou. Levando-se em consideração que boa parte dos baralhos modernos baseia-se direta ou indiretamente no Waite-Smith, é possível afirmar que o estilo de Pamela perdurou e fez escola. Logo, as considerações seguintes não se aplicam necessariamente só ao baralho de Waite-Smith.

A seguir, analisaremos a composição da cena retratada no Cinco de Copas, começando por seu primeiro plano e ampliando cada vez mais nosso campo de visão. Será possível perceber certa progressão de significado – o simbolismo da carta vai se completando à medida que consideramos mais e mais os seus detalhes.

Primeiro Plano

  • O céu cinza sugere tristeza, apatia e confusão mental. Dias nublados e chuvosos geralmente são vistos como tristes, depressivos e nostálgicos;
  • Chão árido – nenhuma planta, pedra, ou qualquer coisa que seja. O chão árido confere à carta um aspecto desolado, sem vida. Estendendo-se por quase toda a área da carta, dá a ideia de um deserto – solidão e desamparo. A água que cai das três taças é absorvida pela terra infértil do chão, e provavelmente não vai frutificar em nada. São lágrimas na areia;
  • cinco de copas - personagemO personagem – o único personagem dessa carta está cercado por um ambiente árido, cinza e morto. Esse ambiente metaforiza o estado emocional do personagem. De costas, coberto por uma simples capa negra, numa postura reta e com os ombros encolhidos, ele olha insistentemente para as três taças caídas na sua frente. No Tarot, geralmente figuras de costas para o observador indicam isolamento, retirada. Sua capa negra pode representar luto; sua postura enrijecia, com os ombros encolhidos, sugere estagnação e extrema tensão. Os ombros encolhidos e voltados para dentro denotam também introversão e vulnerabilidade – encolhemos nossos ombros quando nos sentimos fragilizados, ou quando nos sentimos ameaçados;


  • cinco de copas - copasAs taças – as três taças caídas me lembram muito da história da menina e do leite, que provavelmente originaram a expressão “chorar pelo leite derramado”. O homem olha para elas fixamente, triste, perdido em sua desolação – distraído demais para notar a presença das duas taças que permanecem de pé, logo atrás dele. As duas taças podem remeter ao Dois de Copas, e, portanto, indicam que nem tudo está perdido, e que ainda resta esperança. A mensagem da carta começa, assim, a mudar um pouco de rumo. O que parecia antes aterrador se mostra agora não tão horrível.

Segundo Plano

Mais a frente, podemos ver um rio e, na margem do outro lado, uma construção que lembra um castelo ou fortaleza. A construção está cercada por um jardim verdejante. Ao longe, ligando as duas margens do rio, há uma ponte em arco. Olhando ao redor do personagem do Cinco de Copas, percebe-se que ele tem para onde ir caso queira deixar a solidão do lugar feio onde está. No entanto, ele não parece disposto a ir; isso envolve movimento, e ele não está disposto a sair do lugar – está firmemente plantado no chão, rígido e reto, como um cabo fincado na areia. Essa imagem pode ser interpretada como apego às mágoas, dificuldade de superar a decepção e continua a vida

  • cinco de copas - rioO rio – o rio tem um papel especial nessa carta. Ele aparece em diversas cartas do Waite-Smith, e sempre sinaliza uma mudança significativa. No site Dictionary of Symbolism, encontramos a seguinte definição para o simbolismo do rio:

    “Em seu fluir sem-fim, os rios vieram por simbolizar a própria vida; eles são ‘o fluxo do mundo em manifestação, o macrocosmo’. O cruzamento de um rio de uma margem a outra representa que um rito de passagem acabou de completar-se. A desembocadura do rio compartilha significado com o portão e a porta, representando uma passagem a outro mundo.”

    No site Symbolism.org, acerca do simbolismo do rio é dito que “(…) [o rio] representa a irreversível passagem do tempo e, em consequência, uma sensação de perda e esquecimento”. O rio simboliza uma transição de um estado a outro, de uma realidade a outra. No Cinco de Copas, o rio é o que separa o personagem desamparado do primeiro plano do castelo cercado de um jardim. Aqui, ele simboliza a mudança que faz o personagem chorar. Existe uma relação entre a água derramada das taças e a água do rio, que flui. Também, a presença do rio aqui liga o Cinco de Copas diretamente ao arcano 13, A Morte, que também tem um rio separando a terra seca do primeiro plano de campos verdejantes da outra marge. Aos poucos vamos percebendo que, mais do que tristeza e dor, o Cinco de Copas fala de mudança.

  • cinco de copas - ponteA ponte – segundo o site Dictionary of Symbolism, “a ponte é inerentemente simbólica de comunicação e união, seja entre o céu e a terra, ou entre dois reinos distintos. (…) é o final de um ciclo e o começo de outro. Em muitas culturas, a ponte é o limite entre o que pode ser visto e o que está além da percepção, ou ao menos uma mudança, ou desejo de mudança”. No Cinco de Copas, a ponte é o elo que une os dois estados de ser; ela representa o recurso de trasição entre a depressão e a recuperação – o personagem tristonho pode usá-la para cruzar o rio e dar as costas para suas mágoas. Não deve ser por acaso que, na carta, ela se posiciona logo acima das taças que permaneceram cheias, atrás do personagem, ode ele não pode vê-las. As suas perdas, levadas embora pelo rio, concentram toda a sua atenção.
  • cinco de copas - casteloO castelo/fortaleza – o castelo, que também poderia ser uma torre (compare-o com as torres da carta 18, por exemplo), representa basicamente proteção, conforto e segurança. No contexto da carta, ele representa o lugar de reabilitação, o lugar seguro onde o personagem vai recuperar-se das feridas que arranjou no meio do seu caminho. O castelo é o mundo construído por nós, o nosso próprio mundinho que nos afasta – e aliena – da natureza inconstante. Observe como o castelo é cercado por árvores e grama verdes. Em contraste com a terra seca que predomina na carta, o castelo do Cinco de Copas é como um oásis de vida.

Resumindo, podemos perceber aqui que uma carta de Tarot oferece um rico simbolismo muito além do que notamos à primeira vista. Cada detalhe da carta guarda algum significado no quebra-cabeça. Uma análise mais cuidadosa mostrou que, mais do que simplesmente indicar tristeza, o Cinco de Copas traz uma mensagem inerente de recuperação e superação. Cedo ou tarde, o personagem da carta vai dar-se conta de que não adianta mais chorar. Ele então vai pegar as taças que lhe sobram e vai cruzar a ponte, rumo ao castelo. Na carta seguinte, o Seis de Copas, vemos o mesmo castelo, já do lado de dentro. As duas taças que restaram das cinco que caíram estão agora cheias de lírios em flor, e a atmosfera assemelha-se a um filme infantil cheio de encanto. As crianças na carta podem simbolizar um novo desenvolvimento – o personagem “nasceu de novo”, agora cheio de vida e esperança.

five of cups - lo scarabeo universal tarotEXERCÍCIO SPR

Casa I – A Situação

Tristeza causada por uma perda. A perda pode ter sido relacionada a um relacionamento, ou um sonho que deu errado ou não se realizou. Geralmente, essa carta retrata uma situação onde a pessoa demonstra certa resistência a aceitar as mudanças, e se prende no passado.

Casa II – O Problema/desafio

O desafio aqui é justamente desapegar-se do que foi perdido, deixar para trás e continuar vivendo. O problema aqui é, claro, tristeza, desânimo e depressão. Nessa posição, a carta pode indicar que a pessoa está triste e se recusa a sair do lugar na situação, e isso a atrapalha.

Casa III – Os Recursos/vantagens

Recursos? Sim, recursos. Poderíamos dizer aqui que, embora entristecedora, a mudança experimentada pela pessoa no fim das contas vai revelar-se benéfica, e trazer coisas boas. Talvez a capacidade de apegar-se seja também benéfica.

%d blogueiros gostam disto: