Descobrindo o Tarot

outubro 25, 2009

A Rainha de Copas (Exercício SPR)

Dando continuidade à sequencia do exercício SPR, hoje falaremos de mais uma figura da corte, a Rainha de Copas.

A Rainha de Copas é duplamente associada ao elemento Água, por pertencer ao naipe de Copas e ocupar a posição de rainha, ambas as características relacionadas a esse elemento. Isso faz dela a personificação do elemento Água. A Rainha de Copas encara o aspecto mais misterioso do estereótipo feminino – a mulher secreta, silenciosa, tímida. Num nível mais simbólico, como personificação de seu próprio naipe, a Rainha de Copas seria a própria Copa, a Taça em si, que executa sua finalidade sendo passivamente preenchida, servindo de recipiente. É o símbolo da Mãe do Deus-filho, que recebe em seu corpo a centelha divina.

A Rainha de Copas manifesta no âmbito dos Arcanos Menores a mesma energia da Sumo-Sacerdotisa dos Arcanos Maiores, a guardiã dos segredos do ser humano. Os adjetivos que caracterizam a Rainha de Copas incluem – sensível, receptiva, carinhosa, sonhadora, silenciosa (e mesmo tímida), introspectiva, transpessoal, intuitiva, compreensiva e espiritual. São essas as energias que essa rainha traz para as leituras, onde ela pode indicar tanto uma outra pessoa quanto um aspecto do próprio consulente.

Elementos pictóricos da carta

Acredito que seja pertinente uma digressão aqui. Embora seja difícil sabermos com exatidão o que o autor ou a desenhista do baralho Waite-Smith quiseram expressar com os desenhos das cartas, podemos tirar algumas impressões dos símbolos por livre associação. Evidentemente, esse método pode ser falho, por basear-se em referências pessoais e, portanto, possivelmente distanciar-se das ideias que os próprios autores intencionaram expor em cada carta. Entretanto, sua falta de exatidão é relativa, pois se o método é falho, é falho somente em relação a um padrão, que no caso é a interpretação dos autores a respeito de cada símbolo. No nível pessoal, a livre-associação pode estreitar a relação do estudante com a carta. O objetivo das associações listadas abaixo é, portanto, expor a minha interpretação dos símbolos, estreitando dessa forma minha relação com as cartas. Podemos entender melhor o que o autor quis dizer com os desenhos estudando o que ele deixou escrito a respeito de suas cartas. No entanto, tão quanto a compreensão do significado das imagens do Tarot, a relação que estabelecemos com tais imagens também é parte do desenvolvimento da nossa capacidade de compreendê-las. Tal capacidade é alcançada não somente através de uma ligação mental com cada carta, que seria o escopo da compreensão objetiva dos símbolos, mas também de uma ligação emocional com as cartas, que inclui nossa própria visão dos símbolos, segundo nosso referencial pessoal.

Abaixo, uma lista de alguns pontos proeminentes de carta, e de como eles contribuem para o seu significado –

A falésia – ao fundo da Rainha de Copas vemos um precipício, mais precisamente uma falésia, parte do que poderia ser um promontório. A falésia pode ser interpretada como a fronteira entre a terra (o mundo objetivo dos fatos) e a água (o mundo subjetivo dos sonhos). Um precipício é um lugar de risco, de perigo, e sugere a queda no abismo da morte, da inconsciência e da inexistência. Temos aqui um símbolo para a divisão entre o consciente e o inconsciente.

Elementos pictoricos da Rainha de CopasOutras cartas que mostram precipícios – tanto o Louco, quanto o Eremita e o Três de Paus mostram figuras no alto de precipícios ou montanhas. As três cartas mostram figuras que chegaram ao ápice em algum aspecto da experiência; o Louco e o Eremita transitam por regiões fronteiriças da experiência humana, marginais. O homem do Três de Paus está na altura, destacado do resto por seu mérito próprio, e olha o mundo de uma perspectiva nova – ele vê a big picture. No naipe de Copas, Oito de Copas e o Cavaleiro de Copas têm precipícios. Na primeira carta, o personagem está na região rochosa de uma praia, e prepara-se para começar a subir por um caminho íngreme (observe aqui a relação entre essa carta e o Eremita, ambas mostrando personagens retirando-se do mundo, partindo em peregrinação a um lugar mais alto, sozinhos; eles se erguem acima do mundo ordinário). O Cavaleiro de Copas, como a Rainha, está numa região seca às margens de um rio, com um planalto (que poderia ser a região do outro lado das montanhas atrás da Rainha).

Queen of Cups - Dreamer's DeckA beira-mar – no baralho Waite-Smith, a Rainha de Copas é retratada com seu trono à beira do mar, onde a sólida terra começa a esfarelar em areia e perde-se na profundidade das águas. Isso pode ser visto como uma metáfora visual à zona fronteiriça entre o consciente e o inconsciente, onde nossa percepção objetiva começa a dar lugar às visões interiores. A rainha do naipe de Copas está justamente em contato pleno com esse mundo, e faz como que a ponte entre ele e o nosso mundo consciente. A presença de motivos marítimos na carta a relacionam com todo o simbolismo do mar – cheio de segredos e perigos. A Rainha de Copas do Tarot Dreamers Deck, ainda em processo de criação, também é retratada com seu trono à beira-mar. O motivo para isso é que, segundo o autor, “esse é o lugar da mudança”.

O trono da Rainha de Copas – seu trono é coberto de alto-relevos retratando sereias, com uma concha no alto do espaldar. A concha, símbolo antigo e presente em diversas culturas, é associada à deusa grega Afrodite. Nascida da espuma do mar, Afrodite é a deusa do amor e da fertilidade. Além de aludirem ao mar, as figuras semelhantes a sereias também podem representar as ondinas, os espíritos elementais da água.

A taça – a taça da Rainha de Copas sempre chamou a minha atenção. A mais elaborada de todo o naipe de Copas, ela mal parece uma taça – assemelha-se mais a uma urna. Seu líquido não está exposto, pois a taça está tampada; como uma urna, ela oculta o líquido na escuridão de seu interior. Essa imagem, aparentemente mais um símbolo para o inconsciente, me sugere também o útero, onde a vida surge em segredo. A taça da Rainha de Copas também é muito similar a um cibório. O cibório é um cálice com tampa, usado nos rituais católicos para guardar as hóstias consagradas. É um objeto de significado espiritual.

Outro sinal presente na taça está no seu formato – sua silhueta, com os anjos de asas abertas, lembra um caranguejo. Ao idealizar seu baralho, Waite usou como um de seus principais referenciais o baralho da Golden Dawn, que segue as descrições feitas por MacGregor Mathers no livro Book T. A Rainha de Copas do baralho da Golden Dawn tem um lagostim saindo de sua taça (ver figura ao lado, versão do Golden Dawn Magical Tarot, uma versão moderna do Tarot da Golden Dawn, por Chic Cicero e Sandra Cicero, Llewellyn, 2001). Mathers inclui o lagostim da Rainha de Copas na lista dos sinais “especiais” dessa carta. É possível que Waite tenha tentado disfarçar o lagostim no formato da taça. Isso automaticamente associa a Rainha de Copas a outro arcano maior, A Lua, que tem em seu primeiro plano um lagostim ou caranguejo saindo das águas. Além de estar associada às emoções, medos e sonhos, a lua relaciona-se com o mar e o movimento das marés. A taça da Rainha de Copas sugere sua ligação com o inconsciente, com sentimentos e emoções secretas, misteriosas e ocultas. Suas visões são interiores, e mesmo secretas. A Rainha de Copas pertence a um reino sem palavras, sem definições estritas.

Exercício SPR

A disposição Situação, Problema e Recursos é uma tiragem simples de três cartas, que esclarece a situação do consulente. No exercício SPR analisamos como uma mesma carta se comportaria nas três posições da tiragem, que basicamente ressaltam os aspectos neutro, negativo e positivo de cada carta, respectivamente. Vale lembrar que a dicotomia problemas-recursos das duas últimas posições da tiragem não deve ser lida redutivamente em termos de ruim/bom, desfavorável/favorável. A posição “Problemas” muitas vezes mostra uma energia que está sendo usada ou recebida de forma inadequada. Além disso, o problema é o elemento-chave no processo de crescimento, representando a força que faz o indivíduo mudar, adaptar-se e crescer. Por outro lado, os recursos também requerem sabedoria para serem bem usados, devendo ser aplicados em concordância com o problema em questão.

Queen of Vessels, Alchemical Tarot, by Robert Place and Leisa ReFalo, Hermes Publication, 2008Posição 1, a Situação – aqui a Rainha de Espadas geralmente vai indicar que, quaisquer que sejam as motivações do consulente, elas são emocionais. Ele pode estar sendo sentimental, suas emoções podem estar em foco; ele pode também estar sentindo algo muito forte por outra pessoa. A Rainha de Copas não indica tanto um sentimento de amor romântico, mas mais uma devoção, uma dedicação ao outro. Além disso, nessa posição a Rainha de Copas pode indicar a presença de sonhos, imaginação, intuição e pressentimentos. Figuras da corte na posição 1 mostram alguma característica ou atitude do consulente que tem papel importante em sua situação. A relação da carta da posição 1 com as outras mostra seu teor. Exemplo – uma pessoa está pensando em mudar para outro estado, mas não está certa se suas motivações são válidas. Ela então tira três cartas, que acabam sendo a Rainha de Copas, o Quatro de Copas e o Quatro de Espadas. A Rainha de Copas indica que as motivações do consulente são emocionais – essa viajem para ele representa um sonho, um desejo profundo. Aqui, a rainha se harmoniza com o quatro, indicando que ele de fato não toma atitude nenhuma a respeito, e fica esperando que as coisas caiam do céu. A passividade da rainha combina-se com a falta de motivação do Quatro de Copas.

Posição 2, o Problema/desafio – uma atitude sonhadora, sensível demais ou insegura pode ser o maior obstáculo aqui. A carta pode também indicar uma outra, pessoa caracterizada por essa rainha, oferecendo dificuldades na situação. Eu costumo ver a Rainha de Copas mal-aspectada como alguém chorão e covarde. Outro aspecto negativo da Rainha de Copas surge quando a sua devoção se transforma em abnegação exagerada. Nesse caso, a presença da Rainha de Copas na posição 2 pode indicar uma necessidade de superar medos, colocar os pés no chão e ser mais objetivo.

Posição 3, Os Recursos/vantagens – como vantagens, a Rainha de Copas pode estar querendo dizer que o consulente deve usar sua intuição para resolver seu problema, ou abordar sua situação com seu coração, sendo delicado, carinhoso e dedicado. A visão profunda das emoções faz da Rainha de Copas uma ótima conselheira. Espiritualidade e visão transcendente também podem ajudar aqui.

Anúncios

%d blogueiros gostam disto: