Descobrindo o Tarot

agosto 27, 2012

COMO LER AS CARTAS – PARTE I – TRÊS CARTAS PARA ANA – IMAGEM + SIGNIFICADOS

Filed under: Como ler as cartas — Tags:, , — Leonardo Dias @ 7:50 PM

A maioria das perguntas que recebo no blog tem a ver com problemas de interpretação de leituras. Na minha prática, aprendi que decorar os significados está longe de ser suficiente. Mais importante é saber combinar as cartas, pois a leitura é justamente o que se forma entre elas. Para comporem ideias, os significados precisam ser combinados de acordo com uma estrutura lógica. No final, ler cartas é uma atividade racional como qualquer outra, que depende bastante de organização e método.

Eu vejo muitas pessoas evocando a importância da intuição nas leituras, quando percebo que uma boa interpretação depende muito mais de metodologia. Cartomantes experientes têm sempre uma boa metodologia, praticada por anos. Com prática constante, você internaliza sua metodologia cada vez mais e a tal intuição acaba fluindo, pois encontra um suporte sólido para isso. Assim, a primeira coisa que sugiro é – deixe um pouco de lado as expectativas de acessar sua intuição e foque-se em criar uma boa metodologia para suas leituras. Cartas não são mágicas – são um instrumento como qualquer outro, que exige trabalho para aparfeiçoar seu uso. A intuição vem com a prática e, para praticar, você precisa de uma metodologia.

Explicar minhas ideias vai ser mais fácil com exemplos. Escolhi uma tiragem de três cartas que fez parte de uma consulta real que dei recentemente, para uma consulente a quem chamaremos Ana.

Três coisas são cruciais em uma leitura de tarot: as imagens das cartas, os significados e como você os organiza. A imagem é o maior recurso do tarot. Diante de uma coleção de imagens, nosso primeiro reflexo é encontrar uma relação entre elas, pois nossa mente é “programada” para encontrar sentido. É daí que vem o potencial do tarot. As figuras estimulam o leitor a criar uma narrativa, uma historinha. Isso o ajuda a desenvolver formas de combinar as cartas, pois narrativas são naturalmente estruturais e os significados precisam ser estruturados para fazerem sentido. Vamos dar uma olhada inicial nas cartas de Ana para ver melhor como isso acontece:

As imagens mostram duas cartas bem diferentes nas extremidades opostas, com uma carta equilibradora no centro. O pajem tem cores vivas, animadas, e postura franca, ereta. O Cinco, pelo contrário, exibe uma cena de derrota, com o céu cheio de nuvens feias, um homem com cara de mau e dois personagens abatidos se retirando. No meio, o Dois permanece impassivo; de olhos vendados para os contrastes evidentes entre as duas cartas, tenta dar-lhes a mesma medida.

.

Nos significados, temos,

Pagem de Bastões – um rapaz (conhecido ou não), novidades, entusiasmo.

Dois de Espadas – harmonia, trégua, indecisão.

Cinco de Espadas – fracasso, perda, derrota.

.

Listei poucos significados para cada carta pra ficar fácil mostrar suas combinações. A ideia é combinar os significados das três cartas usando a relação entre as figuras como pano de fundo. Com só três significados básicos por carta, já podemos criar vários cenários possíveis –

1. Uma pessoa próxima a Ana lhe traz aborrecimentos, que ela tenta resolver sem brigas – mas é difícil não brigar;

2. A própria Ana pode estar tendo que administrar seus planos diante de dificuldades que ameaçam sua concretização;

3. Ana tem planos muito legais, ideias muito boas, e boas intenções em geral, mas as coisas nunca dão certo porque ela não consegue executar essas ideias;

4. Ana está tendo que adequar suas vontades e planos (pajem) à oposição de pessoas poderosas (cinco).

.

Ficou claro como eu usei as imagens para organizar os significados em narrativas simples? Interpretar as cartas é basicamente isso, criar narrativas combinando os significados das cartas, usando as imagens como gatilho. Porém, você deve ter notado como a interpretação ainda está vaga. As cartas podem ser combinadas de várias formas diferentes, mas essa profusão não ajuda quando tudo o que precisamos são respostas claras e prognósticos objetivos. O processo básico é esse, mas podemos melhorar essa leitura. Mas, que critérios devemos adotar para escolhermos qual possibilidade de interpretação explorar?

A primeira coisa a se considerar sobre leituras é que cartas dispostas não são como palavras em um livro – não dizem muita coisa sozinhas. Como o tarot não foi criado para ler a sorte, mas sim para ser um jogo, as cartas não possuem uma estrutura inerente própria para compor ideias complexas. Quem deve impor-lhes essa estrutura é você, o leitor. A ideia de usar cartas para tecer prognósticos é essencialmente lúdica – o tarot continua sendo um jogo onde a vida se representa. A função representativa das cartas pede sempre um referencial. Os significados precisam ser associados à realidade para serem interpretados.

.

No próximo post, veremos mais sobre como podemos achar bons referenciais para os significados das cartas. Referenciais vão nos ajudar a compor interpretações mais específicas. Enquanto isso, tente brincar com as imagens das suas cartas, criando historinhas com elas, sem se preocupar muito com os seus supostos significados. Depois, tente combinar os significados de lista dentro dessas narrativas.

Anúncios

abril 24, 2012

PODCAST # 12 – EVENTOS DE 2012 + PERGUNTAS & RESPOSTAS

Filed under: Audio — Tags:, , , , , , , — Leonardo Dias @ 4:43 AM

Ainda que o sol não esteja mais em Aries, aí está meu podcast especial pra entrada do sol no líder do zodíaco. O podcast conta com um resumo sobre alguns dos principais eventos reservados para 2012 girando em torno do tarot, bem como com algumas respostas minhas a perguntas feitas pelos leitores.

.

.

PODCAST #12

.

.

Links

Mystic Fair Rio

Mystic Fair Sampa

Espaço Faces da Lua – espaço da Confraria do Tarot

Tarô, Simbologia e Ocultismo – info sobre a reedição da trilogia de Nei Naiff

Espaço de Luz – site da Patrícia Burnay e do Jorge Pedro

Agenda Pagã – blog voltado para eventos relacionados a paganismo e misticismo em geral

.

.

Line-up musical

Lady Gaga – Yoü and I

Billie Holiday – God Bless the Child

Aretha Franklin – Respect

Marissa Nadler – Mexican Summer

Xuxa – Doce Mel

Jordy – Dur Dur d’Être Bébé

Mariah Carey – Boy (I Need You)

Elton John – Nikita

Norah Jones – Turn Me On

Sophie-Ellis Bextor – Murder on the Dancefloor

Celine Dion – A New Day Has Come

The Supremes – Baby Love

Bessie Smith – Careless Love blues

Lady Gaga – Disco Heaven

janeiro 15, 2012

Perguntas & Respostas

Filed under: Videos — Tags:, , , , , , — Leonardo Dias @ 5:42 AM

http://www.youtube.com/watch?v=emN6qblvS_Y

setembro 27, 2011

TAROT – UM ELO ENTRE O LÚDICO E O ORACULAR

Filed under: Videos — Tags:, , , , , — Leonardo Dias @ 9:30 PM

Não sei muito bem como essa ideia começou a andar na minha cabeça, mas a relação entre o aspecto lúdico do tarot com seu aspecto oracular, atualmente mais bem conhecido, tem povoado bastante meus pensamentos ultimamente. Pensar sobre como esses dois usos de um mesmo objeto se relacionam pode ser gratificante. Será que eles são tão avessos quanto parecem na superfície?

É um fato histórico que o tarot surgiu como um jogo, não muito diferente de qualquer jogo de cartas comum hoje em dia. É possível afirmar, sem muita pesquisa, que um dos papéis sociais do jogo é servir de catalizador e propiciador da interação social. Pessoas unem-se para se divertirem. Esse aspecto do jogo mescla-se com sua propriedade de simular a vida. Com todos os esquemas e estratégias que exige do participante, o jogo simula a vida – e, nesse sentido, certamente guarda relações com o teatro e as brincadeiras infantis.

O oráculo é outro campo em que a vida humana participa como peça elementar. Tradicionalmente, o oráculo demarca o ponto de contato entre a experiência ordinária da vida humana e a existência divina, invisível ao olhar cotidiano. Fornecendo-lhe uma valorização supostamente superior àquela obtida nas deduções mentais comuns, o oráculo possui um potencial transformador da vida, que envolve uma apreciação diferente do próprio tempo. Mais que passivamente refletí-la como faz o jogo, o oráculo pode, portanto, determiná-la.

Ainda que distintos, jogo e oráculo compartilham funções e efeitos similares em vários pontos. Brincando um pouco com essas ideias, tocamos em questões que tratam do próprio caráter do divino e do mundano, por meio de seus representantes, oráculo e jogo, respectivamente.

Nesse video, eu falo brevemente a respeito de alguns vislumbres que tive concernente a essa questão tão atraente.

abril 24, 2011

PERGUNTAS E RESPOSTAS – DIFERENÇA ENTRE BARALHOS

Filed under: Diversos — Tags:, — Leonardo Dias @ 3:35 PM

O baralho faz diferença? O meu é o Rider-Waite. A diferença é que a Justiça pra ele é a Força nos outros (numeração). Fora isso eu achava que era tudo igual..

.

pergunta acima foi feita pela leitora Ana Valério, num, post antigo sobre o Cinco de Copas, há alguns dias.

A questão dos diversos baralhos é algo bastante discutido entre estudantes e praticantes de Tarot. Eu mesmo já falei sobre ela mais de uma vez aqui no blog; mesmo assim, a questão colocada pela Ana tem alguns aspectos interessantes, que talvez possam interessar a outros leitores também.

O primeiro aspecto dessa pergunta diz respeito à diferença de colocação de duas cartas na ordem dos chamados arcanos maiores, no baralho Rider-Waite-Smith: A Força e A Justiça. Originalmente ocupando a décima primeira posição na sequência, no RWS A Força foi reposicionada como oitava carta, ficando então A Justiça na posição onze. Waite não se dispõe a explicar o motivo de tal alteração no The Pictorial Key to the Tarot, livro que originalmente acompanhava as cartas do hoje chamado Rider-Waite Tarot. No entanto, seria mais apropriado dizer que Waite manteve a ordem dos arcanos que ele aprendeu na Golden Dawn, ordem hermética da qual foi membro por muitos anos. A GD, por sua vez, mudou a colocação de ambas as cartas para que elas ficassem de acordo com o sistema de correspondências entre as cartas do Tarot, as letras hebraicas e os signos/planetas astrológicos proposto pela ordem. Waite preferiu não comentar os motivos da mudança, provavelmente porque havia jurado manter secretos os preceitos da GD, recebidos em iniciações especiais.

De qualquer forma, tal mudança exerce muito pouca influência na prática da leitura, a menos que os valores numéricos das cartas exerçam papel proeminente em seu processo de leitura – como em cálculos, por exemplo. Se for esse o caso, sinta-se livre para adotar ou recusar a mudança proposta pelo RWS. Cuide apenas para buscar bases sólidas nas quais possa sustentar tal decisão, afim de que ela não seja algo feito de forma vã, ou por falta de informação.

Segundo, temos a questão da diferença entre os baralhos. Eu sempre sou inclinado a dizer que sim, há diferença em usar esse ou aquele baralho. Ainda que a base seja a mesma, cada baralho fornece uma visão diferente das mesmas imagens, e imagens diferentes vão inspirar coisas diferentes numa leitura. Eu gosto de pensar nas diferenças entre os baralhos de Tarot como o mesmo tipo de diferença entre players ou câmeras de varias marcas, que exigem uma forma específica de manuseio para executarem uma mesma tarefa – tocar música ou tirar fotos. Por último, vale também dizer que boa parte dessa questão da diferença entre baralhos depende também do leitor. Cabe a ele ignorar ou levar em consideração, menos ou mais, as divergências de visão que cada baralho oferece.

abril 18, 2011

VIDEO – LENDO SUAS CARTAS PRA SI MESMO

Filed under: Diversos, Videos — Tags:, , , , — Leonardo Dias @ 8:47 AM

.

.

Uma coisa que eu esqueci de incluir nas dicas, ideia ótima que eu escutei de uma amiga –

Em leituras pessoais, tente referir-se na terceira pessoa ao lançar sua pergunta. Exemplo: “Fulano (seu nome) vai conseguir comprar uma casa esse ano?”, em vez de “Eu vou conseguir comprar uma casa esse ano?”; ou “Como está a relação de Fulano (seu nome) e Cicrano (seu parceiro)?”, em vez de “Como está a minha relação com Cicrano?”. Afirmações são poderosas, e essa afirmação pode te ajudar a assumir a posição de expectador, em vez da de participante da situação. Esse distanciamento pode ser proveitoso na hora de interpretar, porque você já começa a leitura assumindo o papel de observador – sua vida passa a ser vista como algo externo ao seu ego, algo do qual você não participa e, consequentemente, não te aflige tanto.

Fica a ideia, e brigado, Cris, por ela!

fevereiro 27, 2011

NÃO ACREDITO QUE SEJA BOM INTERPRETAR LEITURAS ALHEIAS

Filed under: Diversos, Videos — Tags:, , , — Leonardo Dias @ 6:51 AM

Pois é, a despeito da popularidade dessa noção, eu não acredito nisso. Leituras são coisas pessoais demais, cada pessoa vê as cartas de uma forma, usa baralhos diferentes, e uma leitura de cartas e a forma que ela vai ser interpretada reflete e depende muito do momento em que ela foi tirada. Por outro lado, aprender a interpretar as cartas sozinho pode ser um ótimo exercício de auto controle, e mesmo de auto descoberta. Assista o video para saber mais.

Antes de você assistir o video, gostaria de fazer uma ressalva. Da forma que eu vejo as coisas, existe uma boa distinção entre analisar teoricamente leituras feitas por amigos e pedir ou dar interpretações completas para leituras dos outros. Eu não espero que outra pessoa seja capaz de ler minhas leituras, como não espero que eu seja capaz de ler as leituras alheias. Isso não me impede, no entanto, de trocar ideias acerca da dinâmica das cartas em uma dada leitura. E isso pode ser até proveitoso, sim. No entanto, ninguém pode ler minhas leituras melhor que eu mesmo; e ninguém pode ler suas leituras melhor que você mesmo. Ponto.

fevereiro 23, 2011

VIDEO: UM INSIGHT

Filed under: Videos — Tags:, , — Leonardo Dias @ 4:47 AM

fevereiro 21, 2011

VIDEO – DESCOBRINDO OS ARCANOS MENORES

Filed under: Videos — Tags:, , , — Leonardo Dias @ 2:20 AM

Ultimamente, eu tenho percebido que muitas pessoas, especialmente iniciantes, acham os arcanos menores complicados demais para se entender e estudar. Isso me faz lembrar de quando eu decidi que ia estudar os arcanos menores pra jogar, e encontrei o mesmo tipo de dificuldade.

Um dos grandes fatores de obstrução no entendimento dos arcanos menores é a discrepância existente entre as interpretações de um e outro autores. Minha aposta é que tal discrepância se deve à menor atenção que os (propositalmente assim chamados, portanto, rs) menores arcanos. Cada um fica mais entregue às suas próprias ideias sobre essas cartas, visto que um menor dogma dá espaço a maior variedade.

No video abaixo, eu dou algumas ideias de como lidar com isso e masterizar o entendimento e prática dessas cartas, que, convenhamos, são o corpo do Tarot, encabeçado pelos maiores.

fevereiro 1, 2011

COBRAR OU NÃO COBRAR – EIS A QUESTÃO.

Filed under: Videos — Tags:, , , — Leonardo Dias @ 4:28 AM

Aproveitando a vibe briga e confusão, mais um video meu metendo o pau, dessa vez na ideia antiga de que não se deve cobrar por leituras de cartas, porque elas são um dom. Concordam? Discordam?

Comentem 🙂


Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: